Mabel Spinola

Sem título

Colagem de fotografias digitais

Dimensões em aberto

Dimensão sugerida: 80 x 80 cm

Tiragem: 8

 

Mabel Spinola

Véus

Colagem de fotografias digitais

Dimensões em aberto

Dimensão sugerida: 70 x 100cm

Tiragem: 8

 

Mabel Spinola

Revelação

Colagem de fotografias digitais

Dimensões em aberto

Dimensão sugerida: 21 cm x 65 cm

Tiragem: 8

 

Mabel Spinola

Fragmentos de Tempo

Colagem de fotografias digitais

Dimensões em aberto

Dimensão sugerida: 35 x 100cm

Tiragem:8

Mabel Spinola

 

Linha

Imagem digital produzida  por deslocamento fotográfico

Dimensões em aberto

Dimensão sugerida: 21,5 x 130cm

Tiragem: 8

Mabel Spinola

Desenho do Mar 1

Colagem de fotografias digitais

Dimensões em aberto

Dimensão sugerida: 10 x 115cm

Tiragem: 8

 

Mabel Spinola

Desenho do mar 2 

Fotografia Digital

 Dimensões em aberto

 Dimensão sugerida: 21 x 110cm

 Tiragem: 8

 

Mabel SpinolaDesenho do mar 3

Fotografia Digital

 Dimensões em aberto

 Dimensão sugerida: 10,5 x 110cm

 Tiragem: 8

 

Mabel Spinola

Sem título

Fotografia Digital e Mapas de satélites

Dimensões em aberto

Dimensão sugerida: 30 x 30cm (cada unidade)

Tiragem: 8

 

 

 


 

 

 

 

 

"Penso que a questão do tempo, da simultaneidade, são relevantes hoje em dia já que estamos num lugar e simultaneamente conectados com outros lugares em várias localidades do planeta. O AQUI e AGORA é outro, mais frágil, mais precário, mais esgarçado.. Há um jogo em curso entre o material, presencial e o virtual, com ganhos e riscos. É um pouco desse jogo, do aqui e lá em muitos sentidos que o trabalho fala."

Mabel Spinola

 

As paisagens de Mabel Espínola se iniciam na retina e na rotina, para construir e reconstruir detalhes presenças, contornos, movimentos e dar-lhes perenidade. Não são substituições ou símbolos, mas observação de imagens apanhadas num jogo associativo, em que se utiliza de mídias reprodutíveis, conhecimento adquirido em sua profissão anterior de designer gráfica.

Seu olhar acurado as percebe e recolhe. A partir da junção dessas imagens, gera trabalhos de arte. À medida que a construção se processa, vai gradativamente sendo introduzida no território da arte.

Na observação do cotidiano, Mabel se permite transformar as próprias fotografias em documentações poéticas daquilo que vivencia. Nos “vídeos”, a associação de uma imagem a outra adquire maior importância que as imagens em si, e a sobreposição delas, agora tornadas “frames”, é colocada dentro da estruturação do trabalho.

O acúmulo de imagens e de informações, contidos em blocos que sintetizam durações, os tornam termos modulares autônomos passíveis de serem ajustados a novos agrupamentos. Os olhos dessa paciente fotógrafa fixam, por vezes, movimentos gradativos naturais que se sucedem ou se reproduzem a si mesmos. A noção de tempo e espaço da artista é, continuamente, situada num delicado jogo de passagens, podendo estar contida tanto na evolução de um amanhecer quanto de um anoitecer.

Desse resgate de imagens de imagens, emergem evoluções, rotas, geografias, possibilitadas pela linguagem escolhida por ela. O processo nos faz perceber a coerência do rigor metódico de sua pesquisa e a fidelidade a si própria na mediação com o real.

 

Lia do Rio - 2017